25 de junho de 2013

História da meliponicultura em BVR e criação da Coopmel





Em abril de 2001, foi iniciado o Programa de Meliponicultura, com os moradores que já criavam as abelhas nativas.  A primeira ação de campo foi à transferência das colônias de cortiços e caixas rústicas para colméias racionais, e capacitação específica dos moradores que teriam a missão de manejar os meliponários matrizes.

Em dezembro de 2002 houve uma produção piloto de mel de 185 quilos que foi pausterizado artesanalmente. A compra deste mel foi subsidiada para uma campanha e o restante comprada por parceiros para ajudar na divulgação regional.

Em junho de 2003, os criadores de abelhas indígenas sem ferrão do município de Boa Vista do Ramos realizaram uma reunião para discutir a atividade de Meliponicultura, dessa reunião saiu à decisão de criar uma organização que os representasse.

No dia 04 de julho de 2003 os meliponicultores, em Assembleia Geral, criaram a ACAIA’ Associação dos Criadores de Abelhas Indígenas da Amazônia em Boa Vista do Ramos e elegeram sua primeira diretoria. Neste período houve uma produção de 700 quilos de mel, vendidos para amigos e patrocinadores do projeto como: IMAFLORA, Iraquara, Amigos da Terra, AFLORAM, FDD/AVINA, Banco do Brasil, PMBVR e outros. Período este, foi proposto à construção do Entreposto de Beneficiamento de Mel em Boa Vista do Ramos.

Em 2005 houve uma produção de 2000 quilos de mel, beneficiados no entreposto da empresa Amazonervas, por meio de um contrato de terceirização. E a Associação completou 150 famílias associadas, em 23 comunidades rurais e na sede do município. Em julho de 2006 a Associação em parceria com IDAM montam um Meliponário Matriz na comunidade de Vila Manaus - Região do Ramos de Baixo, com o objetivo de expandir a Meliponicutura para outras Comunidades e Regiões do Município.

Ciente da necessidade de fortalecimento da atividade, a ACAIA buscou parceria com diversas instituições, tanto para a estruturação da associação quanto para capacitação de seus associados: Ainda em 2004 estabeleceu parceria com a FDD - Fundação Daniel Dascal, instituição que doou a associação uma voadeira para facilitar os deslocamentos para visitas aos meliponicultores.

Neste mesmo ano, estabeleceu parceria com o CDH – Conselho do Desenvolvimento Humano, instituição que apoiou a construção dos prédios do Entreposto de Beneficiamento e Mel. Em 2007, com apoio do SEBRAE/AM, foi iniciado um programa de capacitação individual dos meliponicultores associados à ACAIA, por meio do repasse de técnicas de manejo das abelhas indígenas sem ferrão.

Foi então que em 29 de julho de 2007, que os meliponicultores, com apoio do SEBRAE/AM, constituíram a Cooperativa dos Criadores de Abelhas Indígenas da Amazônia em Boa Vista do Ramos – COOPMEL, para viabilizar a produção e comercialização de seus produtos e atender uma exigência do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento – MAPA. A COOPMEL realizou sua inscrição junto aos órgãos responsáveis pelas atividades desenvolvidas pela cooperativa: Receita Federal sob o Nº. CNPJ 09.076.920/0004-68, a Secretaria de Fazendo do Estado sob o Nº. 04.222.116-1, o IBAMA sob o Nº. 02005.002792/08-81, JUCEA sob o Nº 13400003873 e IPAAM sob o N° 1004.2909. Ainda em 2007, firmamos uma parceria entre SUFRAMA, SDS e COOPMEL para construir o Entreposto de Beneficiamento de Mel, com recurso vindo através de Emenda Parlamentar dos Senadores João Pedro e Francisco Praciano (ambos do PT). Com inicio das obras em fevereiro de 2010. Mas, por conta da quebra de contrato por parte da Empresa que ganhou a licitação (GML Construções), fomos duramente prejudicados na construção de nosso entreposto, com isso, adquirir o registro junto ao Serviço de Inspeção Federal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento está em processo.

O SEBRAE/AM, Ministério da Agricultura e Reforma Agraria – MDA e ADS do Governo do Estado do Amazonas, também apoiaram na participação da cooperativa em feiras e exposições. Em 2008 a cooperativa buscou apoio do Banco do Brasil, por meio de financiamento a seus cooperados para a melhoria dos planteis e ampliação dos meliponários.

A demanda pela criação da cooperativa foi originada por um profissional do OCB/AM, pela necessidade de obtenção do registro no SIF – Serviço de Inspeção Federal do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Registro este que dará aos meliponicultores a possibilidade de comercialização de suas produções para o mercado e nacional e internacional. A COOPMEL contou com 75 famílias associadas em 2008, manejando aproximadamente 3.500 colônias de abelhas indígenas sem ferrão. Produzindo neste ano cerca de 2.050 quilos de mel.

O quadro de cooperados da COOPMEL é composto, basicamente, por agricultores familiares (homens, mulheres e jovens) oriundos da zona rural da Amazônia brasileira. Pessoas, estas, que vivem em estreita harmonia com as condições ambientais de cheia e vazante do rio Amazonas e seus afluentes. Suas principais formas de organização são os grupos familiares que se organizam em torno de um aglomerado de casas denominado de comunidade.

Com o apoio do SEBRAE/AM, a maioria dos cooperados/as receberam capacitações para realizar o manejo de suas colônias, o transporte do mel até o entreposto de acordo com as normas estabelecidas pela cooperativa, planejamento administrativo e gestão da cooperativa. Para realizar a extração do mel a cooperativa dispõe de uma equipe de meliponicultores capacitados para realizarem a extração do mel. Essa equipe de meliponicultores, com equipamentos da COOPMEL vão à propriedade do meliponicultor e realizam a extração do mel. Já o beneficiamento, no entreposto de mel e cera de abelhas, é realizado por uma equipe de pessoas treinadas para operacionalizarem os equipamentos existentes no entreposto.

Os Meliponicultores associados à COOPMEL têm consciência da importância da atividade para a geração de renda e melhoria das condições ambientais. Esta consciência ficou mais consistente a partir da realização do projeto “Aprendendo com as Abelhas”. Projeto que tem como objetivo central capacitar os filhos de meliponicultores, apoiados pelo SEBRAE/AM, para realizarem o manejo de colônias de abelhas indígenas.

E como objetivos específicos: incentivar jovens rurais a reconhecer e avaliar as diferentes dimensões das relações sociedade-natureza, sob uma perspectiva crítica, ética, participativa e sustentável; contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos jovens rurais e de suas respectivas comunidades; propiciar o aperfeiçoamento da atividade de meliponicultura, contribuindo para a qualidade do processo de produção, a diversificação das atividades econômicas das unidades familiares visando criar alternativas de geração de renda; disseminar as experiências e o conhecimento adquirido ao longo do Projeto sobre o potencial econômico da meliponicultura junto à sociedade local; estimular jovens rurais, com seus núcleos familiares, a conhecer melhor os espaços rurais e suas relações com a natureza; estimular jovens rurais a produzir riquezas a partir dos recursos naturais de forma sustentável.

Em 2011 a COOPMEL, realizou uma venda de 100 (cem) colônias para o Município de Terra Santa/PA e cerca de 700 para as Comunidades da Reserva do Marau no Município de Maués/AM, com o objetivo de fortalecer a atividade no Território do Baixo Amazonas e criando perspectivas de geração de renda aos seus associados.

Atualmente, a COOPMEL conta exclusivamente com apoio de seus cooperados e da NORDESTA Reflorestamento e Educação, tem apoiado na ampliando os seus Meliponários, aumentando a produção de Mel e construção/adequação do entreposto de Beneficiamento de Mel em Boa Vista do Ramos e no Baixo Amazonas.


Jair Rodrigues Arruda - Presidente da COOPMEL

Precisamos continuar cuidando das abelhas nativas e preservando nossas florestas, mas as dificuldades financeiras são grandes para mantermos nossas atividades. Contribua conosco fazendo sua doação e nos ajude a continuar esse projeto que é referência na Amazônia e no Brasil.

FAÇA SUA DOAÇÃO:

Banco: Bradesco Agência:3706-0 C.C: 7376-8 COOPMEL

author
Quem somos
Cooperativa de natureza civil e de responsabilidade limitada, sem fins lucrativos, constituída no dia 29/07/07, rege-se pelos valores e princípios do Cooperativismo, pelas disposições legais, em sincronismo com o Programa de Autogestão.