2 de novembro de 2015

Abelhas cultivam fungos importantes para a sobrevivência dos insetos


Abelhas nativas do Brasil desenvolveram uma forma rudimentar de agricultura, cultivando um fungo nos compartimentos da colmeia onde botam seus ovos.

Ao que tudo indica, a protolavoura está mais para uma horta de ervas medicinais do que para um campo de trigo, já que o fungo em questão parece ser capaz de gerar substâncias que protegeriam as larvas do ataque de micróbios.

Diversas formigas são famosas por se dedicar ao cultivo de fungos, mas as mandaguaris (Scaptotrigona depilis), nativas de áreas de vegetação aberta do Sudeste e do Sul do país, são as primeiras abelhas documentadas que apresentam um comportamento parecido, ainda que mais rudimentar.

"No começo, eu achei que o fungo causava uma doença nas abelhas", contou à Folha o pesquisador Cristiano Menezes, da Embrapa Amazônia Oriental.

É que, durante seu doutorado na USP de Ribeirão Preto, ele estava tentando produzir rainhas mandaguaris em laboratório. Em tese, o processo é simples: viram rainhas as larvas que recebem uma quantidade elevada de comida (seis vezes mais do que o oferecido às futuras operárias).

"Você coleta o alimento larval da própria colônia e o coloca dentro de casulos artificiais com a larvinha recém-nascida. O problema é que a câmara era muito úmida, o fungo crescia muito rápido e matava as rainhas", recorda Menezes.

Abelha agricultora

Bastou regular a umidade, no entanto, para que as futuras rainhas melhorassem sua expectativa de vida –e para que os pesquisadores notassem um fenômeno curioso: as larvas estavam comendo os filamentos esbranquiçados do fungo. O resto da história está em artigo na revista científica "Current Biology", assinado por Menezes e por colegas da USP e da Unicamp.

O consumo da quantidade correta de fungo não só é inofensivo para as larvas como, aliás, parece ser essencial: as futuras abelhas têm dificuldade de sobreviver na ausência do micro-organismo do gênero Monascus que, do ponto de vista humano, pode ser considerado um bolor.

Evidências desse fato vieram de um experimento no qual o principal item do cardápio das larvas de mandaguari –uma massa semilíquida regurgitada por operárias "babás"- foi extraída e esterelizada com luz ultravioleta.

Na natureza, a rainha põe seus ovos em cima da gororoba e o compartimento é selado. Quando o ovo eclode, as larvas vão lentamente devorando a pasta.

No experimento, 150 larvas receberam papinha esterilizada, enquanto a outras 150 foi servido alimento inoculado com o fungo. Esse segundo grupo teve uma taxa de sobrevivência de 76%, contra apenas 8% das larvas que comeram pasta esterilizada.

Outros experimentos mostraram que o fungo está presente no material usado pelas abelhas para construir as paredes dos "berçários". Isso significa que, quando os insetos formam um enxame para montar uma nova colmeia, as operárias da espécie carregam consigo o fungo junto com o material de construção, propagando assim sua "lavoura".

Segundo Menezes, o termo mais adequado para designar o comportamento seria "protoagricultura". "O que acontece é que aparentemente não há um cuidado direto com a espécie cultivada, apenas sua propagação, enquanto as formigas, por exemplo, cuidam dos fungos de forma mais ativa" –é por isso que as saúvas vivem cortando folhas, levando-as para seus fungos.

CONEXÃO ASIÁTICA

Pode até ser que os fungos contenham nutrientes sem os quais os insetos não conseguem se desenvolver, mas uma pista importante, que aponta para outra direção, vem de uma fonte insuspeita: a culinária asiática.

Em países como a China e a Coreia do Sul, fungos avermelhados do gênero Monascus, aparentados ao das mandaguaris, são utilizados como condimento e conservante de alimentos como o arroz e o peixe. Substâncias produzidas por esses fungos têm propriedades antibacterianas e podem fazer bem para o coração.

Coincidência ou não, em laboratório, a "papinha" das larvas sem o fungo começava a cheirar mal rapidamente, o que sugere que as abelhas usam o micro-organismo como arma contra micróbios causadores de doenças.

Para o pesquisador, o trabalho pode ter implicações importantes para a agricultura humana. As abelhas, afinal, têm sofrido declínios em sua população no mundo todo, com causas que ainda precisam ser mais estudadas, e, sem elas para fazer o trabalho duro da polinização da lavoura, as colheitas tendem a cair.

"Daí a necessidade de entender a importância dos fungos para a saúde das abelhas. Os fungicidas costumam ser aplicados na lavoura na época da floração [quando as abelhas estão visitando as flores]. Eles não afetam as abelhas adultas, mas elas podem muito bem estar levando os fungicidas para as colônias e eliminando fungos como esse", explica.


REINALDO JOSÉ LOPES
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Precisamos continuar cuidando das abelhas nativas e preservando nossas florestas, mas as dificuldades financeiras são grandes para mantermos nossas atividades. Contribua conosco fazendo sua doação e nos ajude a continuar esse projeto que é referência na Amazônia e no Brasil.

FAÇA SUA DOAÇÃO:

Banco: Bradesco Agência:3706-0 C.C: 7376-8 COOPMEL

author
Quem somos
Cooperativa de natureza civil e de responsabilidade limitada, sem fins lucrativos, constituída no dia 29/07/07, rege-se pelos valores e princípios do Cooperativismo, pelas disposições legais, em sincronismo com o Programa de Autogestão.